A
rtista Piauiense esse espaço também é seu, entre em contato e divulgue seu trabalho aqui!

Teatro de Máscaras

    
Museu do Louvre
O homem vem usando máscaras desde a Pré-História nos seus rituais religiosos. Na África, elas são esculpidas em madeira e pintadas. Os índios americanos fazem-nas de couro pintado e adornos de penas. Na Oceania, são feitas de conchas e madeira e com madrepérolas incrustadas. 

Existe um tipo muito antigo de máscara que é aquela desenhada no próprio rosto com tintas especiais, maquiagens e pinturas. Este tipo é muito utilizado pelos índios e pelos africanos nos seus rituais religiosos, de guerra e festas.
   
Na China, as cores das máscaras representam sentimentos e no Japão, os homens usavam máscaras representando personagens femininos.
   
Em Veneza, no século XVIII, o uso de máscaras tornou-se um hábito fazendo parte do vestuário da época.
    
No Brasil, as máscaras são usadas nas festas folclóricas e no carnaval.   

3 comentários:

  1. interessante..........rsrs

    ResponderExcluir
  2. gostei muito do blog, muito interressante, tem bastante informaçao aqui!

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei o blog me ajudou muito com o trabalho de artes.... rsss

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar nosso blog e deixar um comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Minha foto
Teresina, Piaui, Brazil
GRACINEIA CRUZ É Graduada em Licenciatura Plena em História pela Universidade Estadual do Piauí _ UESPI; e Artes Visuais _ UFPI (Cursando); Especialista em Estado, Movimentos Sociais e Cultura _ UESPI. Experiente na área de artes com ênfase em Teatro e elaboração de projetos culturais. É professora de História (ensino fundamental e médio), pesquisadora, artista plástica, artesã e atriz profissional (DRT/PI – 238). Morou de 2006 a 2009, fora do Brasil, o que possibilitou o contato com outras culturas e diversidades sociais. Fala inglês e espanhol. Editora do blog: www.sitok-sitak.blogspot.com onde publica artigos e informações sobre arte e cultura. Coordena e dirige a Cia. SiTok-sitAk de Teatro e Pesquisa, onde atualmente vem desenvolvendo o projeto sentar e ouvir _ uma pausa para contação de histórias.
"A arte diz o indizível; exprime o inexprimível, traduz o intraduzível."